Agroecologia na Serra, Educação do Campo e Medicina Popular

O primeiro evento será o Seminário Educação do Campo, nos dia 22 e 23 de setembro, na Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, em Seropédica. Promovido pelo Grupo de Trabalho de Juventude da Articulação de Agroecologia do Rio de Janeiro (AARJ), o seminário tem como objetivo dar continuidade ao debate sobre a necessidade de construir um modelo de educação que coloque os sujeitos do campo como protagonistas. Nesse sentido, a Educação do Campo deve expressar a realidade, os interesses, as necessidades e a cultura daquelas pessoas que vivem, trabalham e têm origem no campo. Para atingir esse objetivo, é fundamental a participação e envolvimento de movimentos sociais, entidades da sociedade civil, instituições de ensino e pesquisa e órgãos governamentais.

No dia 24 de setembro, a Comissão Pastoral da Terra do Rio de Janeiro (CPT/RJ) e a Rede Fitovida promoverão a Feira de Ciência da Medicina Popular, buscando divulgar o conhecimento acumulado sobre a cura pela Natureza. A Rede Fitovida está presente em 24 municípios de várias regiões do estado do Rio de Janeiro e articula 108 grupos de base comunitária para manter e aprimorar práticas populares relacionadas aos cuidados com a saúde e ao uso de plantas medicinais.

Segundo Marcio Mattos de Mendonça, coordenador do programa de Agricultura Urbana da AS-PTA: Em cada canto do estado, há grupos que, de forma espontânea e intuitiva, se organizam buscando utilizar o conhecimento sobre plantas medicinais para promover melhoria da qualidade de vida das populações que sofrem com o precário serviço de saúde pública.

Já nos dias 26 e 27, no Parque Nacional da Serra dos Órgãos, em Teresópolis, a AARJ, a Associação Agroecológica de Teresópolis e a Associação de Produtores Orgânicos de Petrópolis (Apop) realizarão o Encontro Serrano de Agroecologia. Durante os dois dias haverá painéis e exposição de representantes do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), da Fase, da Emater/RJ, da Associação dos Agricultores Biológicos do Estado do Rio de Janeiro (Abio) e da Empresa de Pesquisa Agropecuária do Estado do Rio de Janeiro (Pesagro), que apoiam o evento. Haverá ainda o relato de experiências de agricultores (das comunidades rurais de Tapinoã, Teresópolis e Brejal), da Apop e do Centro Fluminense de Estudos e Atividades Sobre Ecologia e Qualidade de Vida – Univerde.    

Segundo os organizadores do encontro: A região serrana do Rio de Janeiro reúne um grande número de agricultores orgânicos, experiências bastante consolidadas, pesquisas de campo atualizadas e o maior volume de produtos comercializados no estado. Porém, os diversos grupos e experiências existentes ainda têm pouco ou nenhum contato entre si.

O objetivo deste encontro é, portanto, promover a interação desses grupos/agricultores, realizar uma vasta troca de experiências, tanto técnicas como sociais, identificar problemas em comum e encontrar soluções que sirvam a todos e estimulem ainda mais a agricultura agroecológica na região. (Material de divulgação).

Confira a programação:

Dia 26 de setembro (sábado):

8h-10h: Chegada dos participantes e inscrições

10h-10h20: Abertura: “Região Serrana e Agroecologia”

10h20-11h: Painel: “Mecanismos de Garantia” – Fabiana Nobre (Mapa), Ana Paula Pegorer (Abio) e Alberto Pires (AAT)

11h-12h30: Debates em grupos

12h30-14h: Almoço

14h-16h: Painel “Comercialização” – Vanessa Schottz (Fase/ANA); Relato de experiências: Apop, Univerde e Feiras Locais

16h-18h: Debates em grupos

Noite de confraternização: “Troca de Sementes e Saberes”

A noite de confraternização será um momento de troca entre os participantes. Portanto, quem quiser pode trazer sua contribuição, na forma de sementes nativas, sementes crioulas, mudas, receitas, doces, poesias, artesanato, etc. Ou seja, tudo que for relacionado aos saberes dos(as) agricultores(as) agroecológicos(as).

 

Aos que forem pernoitar no alojamento do Parque, a organização faz um aviso de que tragam roupa de cama e cobertor.

Dia 27 de setembro ( domingo)

7h-8h30: Café da manhã

8h30-10h30: Experiências sobre sementes e agroecologia: Maria Luiza, comunidades rurais de Tapinoã, Teresópolis e Brejal, e Rede Bionatur de Sementes Ecológicas

10h30-120h: Debate em Plenária

12h-13h30: Almoço

13h30-15h30: Articulação para o Encontro Estadual de Agroecologia

15h30: Encerramento

Esse calendário de atividades revela a amplitude e a versatilidade de atuação do programa da AS-PTA no Rio de Janeiro. A diversidade de temas da agenda de setembro reforça também a importância do enfoque agroecológico, que perpassa todos esses cenários de luta pela valorização de uma educação apropriada ao campo, dos conhecimentos da medicina popular e da articulação dos atores em todos os níveis.

Para saber mais:

Rede Fitovida: revalorizando os remedinhos da vovó (v. 4, n. 4 da Revista Agriculturas: experiências em agroecologia)

Isto foi postado em Notícias dentro de e com as tags , ,
Faça um comentárioCompartilhe no Facebook

Postar um comentário

Seu email nunca vai ser compartilhado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Login with Facebook

*
*