Famílias agricultoras do Paraná plantam campo de multiplicação para venda de sementes crioulas à Conab

No último dia 10 de novembro, agricultores, técnicos, estudantes e representantes de organizações da Agricultura Familiar participaram de tarde de campo na comunidade de Volta Grande, município de Palmeira (PR). Os participantes puderam debater pontos estratégicos para o fortalecimento da agricultura familiar da região como os modelos de produção, endividamento e, sobretudo, os caminhos para a transição agroecológica e autonomia familiar.

A comercialização de sementes crioulas para a Conab foi motivo de debate e um caminho alternativo ao plantio do fumo apontado pelo grupo presente. O Centro-sul do Paraná é um dos maiores produtores de fumo do estado.

Os agricultores e agricultoras analisaram a experiência de plantio de uma área de multiplicação de sementes de milho crioulo (da variedade amarelão). Essas sementes foram produzidas por agricultores familiares da região e foram vendidas para Conab por meio de sua cooperativa e doada para outras famílias agricultoras. Agora, são eles, agricultoras e agricultores da comunidade de Volta Grande que passarão a plantar e multiplicar as sementes para assim, elas poderem ser destinadas novamente a venda a Conab, por meio do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA) na modalidade de doação simultânea. E dessa forma, fortalecer manutenção da agrobiodiversidade local, além de se criar um caminho importante para viabilização econômica da propriedade. Aos poucos, e com muito debate, os agricultores vão construindo alternativas frente à atual crise, em especial, a crise da fumicultura.

Além da comunidade de Volta Grande, agricultores e agricultoras de outras comunidades da região vêm se organizando, por meio de suas associações, cooperativas e sindicatos para preservação das sementes crioulas. No Paraná, foram implantados mais de 100 campos de multiplicação que se encontram em pleno desenvolvimento. Esses campos são plantados e cuidados em sistemas comunitários, onde todo trabalho é realizado por famílias vizinhas e amigas, que juntas buscam alternativas de desenvolvimento.

O plantio destas áreas é um momento importante de formação, pois nesses campos as famílias experimentam práticas de manejo de solo baseado em processos ecológicos como: a adubação verde de inverno (ervilhaca) para fixação biológica de nitrogênio e supressão de plantas espontâneas; o plantio direto sobre a palhada da ervilhaca, utilizando diretamente a plantadeira; testam o uso de fertilizantes alternativos como cama de aviário e pó de rocha; a inoculação de sementes crioula de milho, por meio de bactérias diazotroficas, para fixação biológica de nitrogênio, entre outras práticas.

E assim por meio de manejo ecológico de solos, manutenção e preservação de agrobiodiversidade, a construção coletiva de princípios de uma economia justa e de uma sociedade participativa é que os agricultores da comunidade de Volta Grande e de outras tantas no Paraná vem construindo a agroecologia.

Isto foi postado em Notícias dentro de com os temas e as tags , ,
Faça um comentárioCompartilhe no Facebook

Um comentário

  1. Waldir Coutinho Lima
    Postado 14 de Janeiro de 2012 às 0:42 | Permalink

    Caros Amigos(as)

    Sou Coordenador da Secretaria Municipal de Agricultura e Pesca do município de Mata de São João – Bahia.
    Temos interesse em entrar em contato com os produtores de sementes crioulas para possível fornecimento, solicito o envio de informações sobre as sementes crioulas produzidas.

    Atenciosamente,

    Waldir Coutinho Lima
    Coordenador de Desenvolvimento Agropecuário e Pesqueiro

Postar um comentário

Seu email nunca vai ser compartilhado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Login with Facebook

*
*