Carta Política do III Encontro Nacional de Agroecologia

Foto: Fábio Caffé

Foto: Fábio Caffé

“Cuidar da Terra, Alimentar a Saúde e Cultivar o Futuro”. Com este lema, o III Encontro Nacional de Agroecologia (ENA) reuniu-se entre os dias 16 e 19 de maio de 2014 na cidade de Juazeiro-BA. Com o público de mais de 2.100 pessoas vindas de todos os estados brasileiros, fizeram-se representar trabalhadores e trabalhadoras do campo, portadores de diferentes identidades socioculturais (agricultores familiares, camponeses, extrativistas, indígenas, quilombolas, pescadores artesanais, ribeirinhos, faxinalenses, agricultores urbanos, geraizeiros, sertanejos, vazanteiros, quebradeiras de côco, catingueiros, criadores de fundos em pasto, seringueiros) , técnicos, pesquisadores, professores, extensionistas e estudantes, além de gestores convidados. Com a presença majoritária de trabalhadores e trabalhadoras rurais, nosso encontro alcançou participação paritária entre homens e mulheres, contando também com expressiva participação das juventudes.

A fase preparatória com as 14 Caravanas Agroecológicas e Culturais e o III ENA produziram claras evidências da abrangência nacional que assume hoje a agroecologia em todos os biomas brasileiros como referência para a construção de caminhos alternativos aos padrões atualmente dominantes de desenvolvimento rural impostos pelo agronegócio. Ao mesmo tempo, dezenas de milhares de trabalhadores e trabalhadoras do campo incorporam a proposta agroecológica como caminho para a revalorização do diversificado patrimônio de saberes e práticas de gestão social dos bens comuns e de reafirmação do papel da produção de base familiar como provedora de alimentos para a sociedade.

No III ENA pudemos constatar que a incorporação do enfoque agroecológico é também expressão da resistência da produção camponesa e familiar às crescentes pressões sobre ela exercidas pela ocupação de seus territórios pelo agronegócio e pelos grandes projetos de infraestrutura e de exploração mineral. Na análise que realizamos sobre os conflitos territoriais que se intensificaram nos últimos 15 anos, com o favorecimento das políticas públicas à expansão do grande capital no campo, constatamos que ao resistir em seus lugares de vida e produção, a agricultura familiar camponesa e os povos tradicionais produzem respostas consistentes e diversificadas para críticas questões que desafiam o futuro de toda a sociedade.

Reforma agrária e reconhecimento dos territórios dos povos e comunidades tradicionais, a afirmação da nossa sociobiodiversidade, conflitos e injustiças ambientais, agrotóxicos e seus impactos na saúde, acesso e gestão das águas, articulação ensino, pesquisa e ater, educação no campo, sementes da diversidade, abastecimento e construção social de mercados, normas sanitárias, financiamento e agroecologia, plantas medicinais, agricultura urbana, e comunicação, foram alguns dos temas abordados.

É com base nos ensinamentos extraídos nos debates realizados durante o Encontro que foi elaborada a Carta Política com proposições relacionadas aos temas que mobilizaram o esforço coletivo de reflexão feito no III ENA.

Clique para ler a Carta Politica do III ENA.

Fonte: www.enagroecologia.org.br

Isto foi postado em Documentos, Notícias com os temas e as tags ,
Imprimir Este ArtigoFaça um comentárioCompartilhe no Facebook

Um comentário

  1. irvapoa@gamil.com
    Postado 5 de dezembro de 2014 às 13:28 | Permalink

    Tanto o site como os projetos que voces tocam são especial importância. Vivemos num mumdo cada vez mais agressivo à tudo e a todos. Eu me preocupo com o que como e com o que bebo há mais de 30 anos.
    Dizia meu pai que ”morremos pela boca” e olha que ele morreu em 1984. Parece que ele estava muito além do seu tempo, pois também dizia que se conseguisse dar o estudo para seus 6 filhos era o suficiente para nossa vida e todos nós cursamos universidade (públicas e privadas) com ele ajudando a manter os custos, trabalhando mais de 12 horas por dia e era alfaiate e ainda tinha plantio de subsistência. A gente tinha tudo em casa: leite (de 2 vacas), 2 porcos, muitas galinhas (vendia ovos, leite e trocava o milho por farinha).
    Que saudade daquela vida, tudo natural, só se comprava açúcar e sal.
    Gostaria de ajudar a divulga o trabalho de vocês e poder participar de alguma forma.
    Agradeço desde já vossa atenção

Um trackback

  1. [...] Fonte: AS-PTA [...]

Postar um comentário

Seu email nunca vai ser compartilhado. Campos obrigatórios são marcados com *

Login with Facebook

*
*

Você pode usar estas tags HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>

Current month ye@r day *