Diagnóstico da Juventude Camponesa mostra novos rumos para o trabalho com jovens na Borborema

JuventudePor que os jovens decidem permanecer ou sair da agricultura? Como esses jovens veem a agricultura? E quais desafios eles enfrentam? A partir destes questionamentos, o Diagnóstico da Juventude Camponesa vem sendo desenvolvido desde agosto de 2015. Uma iniciativa da AS-PTA e do Polo da Borborema com o apoio da entidade de cooperação internacional suíça “Terra dos Homens”, o diagnóstico traz novas perspectivas para o trabalho com a juventude camponesa na região da Borborema.

Articulada em 7 eixos – terra, participação, educação, cultura, políticas públicas, violência e geração de renda – o diagnóstico foi conduzido com a ajuda da estudante holandesa Irene Jurna e contou com a sistematização de mais de 100 experiências. Apresentado na manhã da última sexta-feira (29) durante reunião da Coordenação Ampliada do Polo da Borborema, o momento contou com a participação de jovens lideranças agricultoras e da coordenação do Polo.

Irene destacou em sua apresentação pontos importantes da pesquisa, como as questões de gênero em relação as jovens camponesas, além de aspectos como autonomia e educação do campo contextualizada. Parte dos desafios para continuidade na agricultura são a escassez de terra e ainda a cultura machista que prioriza os homens no momento de herdar as propriedades. O estudo mostra que o trabalho com mulheres que vem sendo desenvolvido pelo Polo, precisa abraçar estes aspectos, entendendo que os jovens precisam também ser tocados pelas questões de igualdade de gênero.

Outro ponto relevante do diagnóstico foi a importância de dar autonomia e oportunidade a esses jovens. “Se em 2010 eu não tivesse ganhado uma cisterna-calçadão, eu não estaria mais no sítio” destacou o jovem Erivan Alves, de 27 anos, do Sítio Floriano em Lagoa Seca. Para ele, a partir do momento em que o jovem tem oportunidade, ele permanece na agricultura. Erivan falou ainda sobre importância de continuar lutando por mais direitos e políticas públicas para o campo. “Se eu recebi minha cisterna foi porque alguém lutou por ela, e é nosso dever continuar lutando para que mais jovens possam ter acesso a essas políticas”, disse o jovem.

Esse acesso a políticas públicas foi destacado também no diagnóstico, apontando que apesar das dificuldades encontradas nesse campo, a inserção da juventude em programas sociais traz a tão sonhada independência e consequentemente o desejo de permanecer na agricultura. Como bem destaca a jovem Aline Belarmino, “O P1MC, P1+2, PAA, PNAE, deram oportunidade para o jovem ficar no campo, porque ali ele tem mais facilidade de acesso a água, tem onde produzir, onde vender seus produtos”.

O diagnóstico focou também na importância da educação contextualizada no campo. Entendendo as realidades diferentes no ensino feito na cidade e nas escolas rurais, uma metodologia inclusiva é mais do que necessária. O descrédito dos educadores com os saberes camponeses acaba por legitimar o preconceito que muitos desses jovens agricultores sofrem na escola, o que usualmente pode afastar esses jovens do ensino.

JuventudeEm contrapartida, a aproximação dos sindicatos e organizações com escolas do campo dá um novo olhar sobre o campo da educação contextualizada. A exemplo do projeto Água nas Escolas, que em 7 municípios do Polo vem fortalecendo esse debate entre professores, gestores e membros das comunidades. Além disso, o PRONERA e os cursos em agroecologia que foram estruturados em universidades da região, contribuem para o fortalecimento da identidade desses jovens camponeses.

Para a assessora técnica da AS-PTA, Adriana Galvão, uma questão visibilizada durante o diagnóstico é a da pluriatividade. “Muitos jovens agricultores acabam exercendo trabalhos fora da agricultura, mas de maneira a dar suporte a sua permanência no campo”. Para além disso, frisa Adriana, “deve-se pensar nas oportunidades dadas aos jovens dentro dos sindicatos, criando espaços de troca e construção entre eles, além de favorecer com que eles sejam realmente os protagonistas do seu próprio projeto político”, enfatiza.

A sucessão no campo, preocupação entre as atuais lideranças e até entre os próprios agricultores, é uma realidade que pode ser mudada a partir desse novo olhar sobre a juventude camponesa. Dar espaço para que esses jovens possam trabalhar ativamente no movimento e entender a juventude situada em seu próprio tempo não é tarefa fácil, mas necessária. Os sindicatos precisam abraçar a juventude, levantar sua bandeira.

Em suma, o Diagnóstico da Juventude Camponesa vem abrir os olhos para a necessidade de uma metodologia específica para o trabalho com juventude. A partir do entendimento das expectativas e sonhos desses jovens agricultores, o compromisso da assistência técnica, dos sindicatos e dos próprios pais desses jovens agora, é dar seguimento ao trabalho. Nas palavras do jovem agricultor Alan Kilson, “se esses jovens não se interessarem pela agricultura, mais na frente, quem vai seguir na luta?”.

 

Isto foi postado em Notícias dentro de com os temas e as tags ,
Faça um comentárioCompartilhe no Facebook

2 comentários

  1. Postado 3 de Maio de 2016 às 14:04 | Permalink

    O turismo comunitário e solidário pode ser uma excelente opção estratégica de trabalho, renda, pertencimento, enraizamento e autonomia para as juventudes camponesas, como já acontece em assentamentos e comunidades tradicionais. Conte conosco se quiserem discutir.
    Alberto Viana – Mestre em Educação do Campo, turismólogo

  2. Postado 3 de Maio de 2016 às 12:20 | Permalink

    Caras amigas,
    Caros amigos,

    O trabalho com as JUVENTUDES RURAIS e urgente!! Temos grandes e profundos desafios para que nossos jovens se reapaixonem-se pela AGRICULTURA FAMILIAR-CAMPONESA. Penso que, um destes, e o da EDUCACAO do CAMPO voltadas para as diversas realidades e demandas destes.

    Urgente se faz construirmos uma OUTRA EDUCACAO CONTEXTUALIZADA do CAMPO!!!

    Ecos!!!

Postar um comentário

Seu email nunca vai ser compartilhado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Login with Facebook

*
*