Família Santos cria casa de sementes crioulas em Fernandes Pinheiro-PR

Silvestre, Terezinha e seus 5 filhos moram na comunidade de Santo Antonio, no município de Fernandes Pinheiro-PR. Desde 2001, ao entenderem que a agricultura convencional não funcionava mais para produção de alimentos, pois além de se financeiramente inviável, entenderam que se tornavam totalmente dependentes do mercado. Silvestre e Terezinha passaram a não aceitar o uso de produtos químicos. Começaram então a converter toda a propriedade, que possui 4 hectares, num sistema agroecológico. Um ponto de partida importante foi a utilização das sementes crioulas.

Participando de vários momentos de formação, iniciaram a caminhada em busca de alternativas como o resgate, conservação e a multiplicação das sementes crioulas, a fabricação de adubos caseiros, o manejo ecológico de solos e outros.

Silvestre se recorda que já na primeira participação de um dia de campo que estava sendo realizado sobre o processo de fabricação de adubo da independência pode trocar e ganhar algumas espécies de sementes crioulas que ainda não tinha em sua propriedade e levar para casa. Essas sementes foram o ponta pé para aumentar a diversidade de espécies a serem cultivadas na propriedade. Passaram a também receber encontros, dias de campo, reuniões e se propuseram a receber a implantação de campos de produção de sementes e experimentos de avaliações como de milho, batata, arroz, feijão, adubos verdes de verão e de inverno. Minha propriedade virou um laboratório de aprendizado agroecológico, sempre aberta a propriedade a visitação de estudantes, professores, agricultores e público em geral, conta Silvestre.

O grande sonho da família, contudo, sempre foi criar um banco de sementes que fosse capaz de suprir totalmente a necessidade familiar para plantio, pensando principalmente na segurança alimentar e na produção de alimentos saudáveis. Silvestre e Terezinha trabalharam fortemente no intensão de diversificar o máximo a propriedade, aproveitando todos os espaços para realizar testes de novas sementes adquiridas em feiras e festas de sementes que participam no estado ou fora dele também.

Diante de todo esse trabalho, em 2018, a família deu o primeiro passo e criou a Casa de Semente como têm chamado, com mais de 60 tipos de sementes crioulas de diversas espécies entre milhos, feijões, adubos verdes, mandioca, batata doce, abóboras e tantas outras, todas produzidas na propriedade em que vivem. A Casa da Sementes ainda está em um espaço pequeno, mas inquietos, a ideia é ampliar e transformá-la, junto com o Grupo Coletivo Triunfo, em um Banco Comunitário de Sementes, resgatando assim mais sementes de toda a região. Ao ampliar e enriquecer o Banco, pretende-se transformar esse espaço em uma referência para as famílias que ainda não possuem sementes crioulas.

Todas as sementes já armazenadas, são organizadas por Jaqueline, a filha mais nova do casal. Jaqueline é que vem trabalhando na seleção, no preparo das sementes e no seu armazenamento. Também cuida da catalogação de todas as sementes produzidas e as que chegam de outras famílias. Recentemente, Jaqueline foi considerada pelo Coletivo Triunfo como a Guardiã Mirim das Sementes Crioulas.

No projeto novo da família, a ideia é que o Banco seja também um local de visitação, de encontros e de estudos agroecológicos. Um espaço onde se pretendem receber estudantes de várias escolas técnicas e públicas, agricultoras e agricultores, jovens ou maduros, mas que também carregam a missão de ser um guardião de sementes crioulas.

Enquanto o Banco não se concretiza, a Casa de Sementes já está ativa e Silvestre, Terezinha e Jaqueline incentivam o empréstimo e a troca de sementes para aqueles que também querem promover agroecologia. Essa iniciativa vem apoiar a Campanha Plante Sementes Crioulas que retoma com força na região por meio do incentivo dos Sindicatos de Trabalhadores Rurais, Cooperativas da Agricultura Familiar e do próprio Coletivo Triunfo. A Campanha tem como pontos prioritários o resgate e a conservação das sementes milho e feijão, as quais os estudos revelam uma enorme erosão genética, principalmente depois da entrada avassaladora do milho transgênico na região.

O trabalho assumido pela família é exemplar e de grande generosidade. A trajetória de construção da agroecologia é divida ao colocarem a serviço do Coletivo Triunfo todo o patrimônio genético que foram resgatando, selecionando e multiplicando ao logo desses anos.

Isto foi postado em Experiências dentro de com os temas
Faça um comentárioCompartilhe no Facebook

Postar um comentário

Seu email nunca vai ser compartilhado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Login with Facebook

*
*