Guardiões de Sementes da Borborema discutem o empacotamento, comercialização de sementes e realizam oficina sobre o fubá agroecológico

Guardiões e guardiãs representantes dos 62 Bancos de Sementes Comunitários (BSC) dos 14 municípios de atuação do Polo da Borborema estiveram reunidos nesta quinta-feira (14), na sede da AS-PTA Agricultura Familiar e Agroecologia, para debater assuntos como a renovação dos estoques dos bancos de sementes, além de levantar estratégias de empacotamento e comercialização das sementes. A programação foi dedicada ainda a realização de uma oficina de produção de receitas com o fubá agroecológico, que dá origem ao cuscuz livre de transgênicos, produzido com as sementes crioulas, ou ‘Sementes da Paixão’ como são conhecidas na Paraíba.

A atividade teve início com uma rápida socialização sobre a produção das sementes e informações dos BSC do território. Durante a rodada sobre a situação dos municípios, apareceu com força a questão de que há sementes sobrando nos bancos. Fato que Cícero José de Santana, da Comunidade Montadas de Baixo, município de Montadas, avalia como positivo: “quem não foi buscar, é porque tem em casa, então aquela que tá sobrando no banco, já está segura para o ano que vem. As pessoas estão se acordando, para guardar a sua semente. A gente não sabe o ano que vem como é que vai ser, então é como aquele dinheiro que a gente tem guardado no banco para uma precisão”, concluiu.

Severina Pereira da Silva, mais conhecida como “Silvinha”, do Sítio Maracajá, município de Queimadas, chamou a atenção para os cuidados com a renovação dos estoques: “Eu também vejo como um fator positivo as famílias não terem ido buscar a semente no banco. Mas, apesar de a gente ter experiência de sementes armazenadas por quase três anos germinarem, a gente tem que ter o cuidado de renovar esse estoque, se está tendo safra nova, tem que dar um destino a essas sementes do banco”.

Monitoramento dos Bancos de Sementes

Durante a reunião, houve a apresentação do Monitoramento dos BSC realizado em 2017, por meio de um projeto de extensão coordenado pela professora Maria Christine Werba Saldanha, do Departamento de Engenharia de Produção da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), Campus João Pessoa. De acordo com dados do monitoramento, o estoque dos 62 bancos saltou de 17 toneladas, em 2016, para mais de 21 toneladas em 2017, o que significa um aumento de 23%. Os bancos armazenam 10 espécies e 123 variedades. “E veja que esse aumento ocorreu em um ano que não teve nem uma colheita muito boa, como foi em 2017”, frisou a professora.

O feijão de arranque aparece com 35 variedade e seu estoque nos bancos saiu de 5 toneladas em 2016, para 9 em 2017. O feijão macassar tem 23 variedades, saiu de 900 quilos em 2016 para mais de uma tonelada, em 2017. Já o milho tem 11 variedades, e seu estoque foi de 4 toneladas em 2016 para 7 toneladas em 2017. De fava são 24 variedades, e o estoque saiu de uma tonelada em 2016 para mais de duas toneladas em 2017.

Euzébio Cavalcanti, morador do assentamento Queimadas e presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Remígio, falou sobre a importância do monitoramento dos estoques dos bancos: “Um estudo como esse é uma forma de estarmos sempre atualizando as informações sobre os bancos. Essa informação é importante até para comprovar que a agricultura familiar que planta com diversidade é a que dá resultado, pois a agricultura convencional é causadora da erosão genética. Esse estudo pode ser usado para que a gente confronte a política atual de distribuição de sementes que não considera a diversidade de variedades locais plantadas”.

“A pesquisa só me incentiva mais a continuar plantando a diversidade de sementes que eu venho plantando”, complementou Ligória Felipe dos Santos, da comunidade Lagoa do Sapo, município de Esperança.

Os agricultores discutiram estratégias para o empacotamento das sementes com vistas a uma rede de comercialização de sementes da linha de produtos “Do Roçado” que dá nome aos produtos da agricultura familiar da Borborema. Por fim, os guardiões e guardiãs sementes levantaram os seguintes encaminhamentos para a renovação dos estoques dos bancos: realização de reuniões municipais e comunicados nas reuniões das associações comunitárias, uso dos programas de rádio dos sindicatos nos municípios além de reuniões com os próprios sócios.

Oficina receitas com Fubá Agroecológico

No período da tarde, aconteceu a Oficina de produção de receitas usando o fubá agroecológico a base de milho não transgênico produzido pelas famílias agricultoras da região. O Fubá Agroecológico, ou Fubá da Paixão, assim como o farelo e o mungunzá, estão sendo produzidos em uma unidade de produção que passou a funcionar no Banco Mãe de Sementes do Território da Borborema, localizado no município de Lagoa Seca-PB. O milho foi adquirido das famílias e os produtos estão sendo comercializado na rede de 12 feiras agroecológicas da EcoBorborema, associação de feirantes do Polo da Borborema.

Foram preparados o cuscuz, bolo e broa de fubá da paixão. A oficina foi facilitada pela professora Márcia Targino da UFPB, Campus Areia, e na oportunidade falou sobre a parceria do laboratório de processamento de alimentos da universidade, AS-PTA e Polo, e sobre o processo percorrido para se chegar na formulação ideal do produto e com as devidas instruções para o seu preparo do cuscuz agroecológico. Os participantes tiraram dúvidas sobre o preparo e ao final, degustaram as receitas.

O Polo da Borborema é uma articulação de 14 sindicatos de trabalhadores rurais da região da Borborema no Agreste da Paraíba. Há mais de 20 anos atua em parceria com a AS-PTA, pelo fortalecimento da agricultura familiar agroecológica no território.

 

Conheça as receitas

Bolo de Fubá

Formulação:

– 1 e ½ xícara (chá) de fubá
– 1 xícara (chá) de farinha de trigo
– 2 xícaras (chá) de açúcar
– 1 xícara (chá) de óleo
– 1 xícara (chá) de leite
– 4 ovos
– 1 colher (sopa) de fermento em pó
– Raspas de um limão

Modo de preparo:

1. Bata os líquidos (óleo, leite e ovos) junto ao açúcar no liquidificador.
2. Transfira para uma vasilha e adicione a farinha, o fubá e as raspas do limão.
3. Misture bem, coloque o fermento e misture rapidamente.
4. Coloque na forma e leve ao forno (pré-aquecido a 180°) por cerca de 30 minutos. Faça o teste do palito: finque no meio do bolo, e se sair limpo, está pronto.

Broa de fubá

Formulação:
– 1 xícara (chá) de manteiga
– 1 xícara (chá) de açúcar
– 2 ovos
– 1 pitada de sal
– 2 xícaras (chá) fubá
– 3 e1/2 xícaras (chá) de farinha de trigo
– 15 ou 20g de fermento em pó

Modo de preparo:

1. Bata na batedeira manteiga com o açúcar por cerca de 1 minuto, em velocidade média.
2. Acrescente os ovos, um a um, a pitada de sal, bata isso por mais 1 minuto em velocidade média.
3. Acrescente alternadamente a farinha de milho e a farinha de trigo, primeiro a farinha de milho, depois a de trigo e assim sucessivamente, e por último o fermento em pó.
4. Faça as bolinhas e coloque-as em uma forma retangular untada e enfarinhada.
5. Leve ao forno pré-aquecido e asse por cerca de 30 minutos ou até dourar.

Isto foi postado em Notícias com os temas e as tags ,
Faça um comentárioCompartilhe no Facebook

Postar um comentário

Seu email nunca vai ser compartilhado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas tags HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

Login with Facebook

*
*